BEM-VINDOS A ESTE ESPAÇO

Bem-Vindos a este espaço onde a temática é variada, onde a imaginação borbulha entre o escárnio e mal dizer e o politicamente correcto. Uma verdadeira sopa de letras de A a Z num país sem futuro, pobre, paupérrimo, ... de ideias, de políticas, de educação, valores e de princípios. Um país cada vez mais adiado, um país "socretino" que tem o seu centro geodésico no ministério da educação, no cimo do qual, temos um marco trignométrico que confundindo as coordenadas geodésicas de Portugal, pensa-se o centro do mundo e a salvação da pátria.
__________________________________________________________________

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

PENSAMENTO DA SEMANA

.
"Que bom seria se um deputado tivesse
febre aftosa;
peste suína;
ou gripe das aves.
Aí.....seríamos obrigados a sacrificar todo o rebanho...!!!"
.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

PORQUE NÃO TE CALAS, CARAGO?

O "Porque não te calas ?" do Rei Juan Carlos a Hugo Chávez foi dos maiores alívios de liberdade dos últimos tempos.
O Rei deixou o aprendiz de ditador petrificado ... não tugiu nem mugiu. ACOBARDOU-SE
E acobardou-se de tal forma que só depois de estar BEM LONGE é que anda a dizer que não ouviu e que se tivesse ouvido teria respondido à letra.
Santa paciência, e ainda temos de o andar a ouvir em cada passo que dá a recordar, ESPUMADO, a sua falta de coragem. Hugo Chávez terá uma vida inteira para digerir a ORDEM que tão EDUCADAMENTE acatou na cimeira, e um dia talvez perceba que a história não se apaga facilmente.
Por muito que isso custe, e isto CUSTA-LHE MUITO, o índio teve que engolir e calar, sujeitando-se mais uma vez à voz de comando que foi incapaz de contrariar, qual tigre de papel. E existem mil razões para a razão do monarca espanhol, muito para além daquelas que suscitaram a aplaudida intervenção de quase todo o mundo civilizado.
Em primeiro lugar porque a Venezuela só existe e fala espanhol porque à Espanha lhe deve. E Chavez é ele próprio um produto de todas as contradições próprias do petróleo, da vaidade, democracia, autismo, pobreza, ganância, liberdade ainda que só cante de galo e se ufane em "Fidelito" por causa desse mesmo petróleo. Não fora isso e ele seria aquilo que mostrou ser na Cimeira - um cobardolas.
E percebe-se que a legitimidade ocasional dos eleitos não era nada se comparada com o peso da representação histórica que o Rei transporta consigo. Com o incidente a Espanha ficou mais forte e a justa repreensão ficou em casa, o mundo hispânico compreendeu que tinha identidade própria e o Huginho talvez perceba que não pode tratar o mundo civilizado com a "meia bola e força" com que trata um povo inteiro - o venezuelano.
Com este PUXÃO DE ORELHAS que colocou o ditadorzeco no seu devido lugar, cada vez mais nos leva a crer que há que contar com a Espanha.
VALENTE!

Hugo Chávez foi democraticamente eleito!!!!!!!!!!
É ouvir a esquerda ... a esquerda democrática, a esquerda antidemocrática e a esquerda complexada ... repetir e recordar aos 4 ventos que o Huguinho foi eleito democraticamente pelo povo venezuelano.
É um facto, É uma verdade. É um direito que lhe assiste ser legitimamente quem é - o Presidente da Venezuela!
Contudo, gostaria de recordar o quanto lhe está no sangue o espírito golpista que acabou por o levar a Presidente democraticamente eleito.
Vamos por partes.
Na ultima década do século passado, no tempo do Presidente Andrez Peres, o oficial do exército Hugo Chávez "capitaneou" um GOLPE DE ESTADO, contra o regime DEMOCRATICAMENTE eleito na Venezuela.Como esse GOLPE DE ESTADO fracassou, o oficial Hugo Chávez foi preso não sei quantos anos até que, durante o mandato de Rafael Caldera, este promove uma amnistia e ele, o Chávez, é libertado.Deixa a vida militar e passa a político, forma o seu partido, concorre às eleições e vence-as com maioria.Tudo bem, tudo normal.
A minha dúvida inicial, prende-se com o 2º exemplo que vou dar.
Em Espanha, no início dos anos 80 um também oficial do exército de nome Tejero Molina (e Milan del Bosch), TAMBÉM promove um GOLPE DE ESTADO a que todos pudemos assistir em directo, se bem se recordam.
TAMBÉM fracassou e TAMBÉM foi preso. A diferença é que este teve mais de uma dezena de anos na Prisão
Contudo, façamos um pequeno exercício.Imaginemos que Tejero Molina era amnistiado, formava um partido e ganhava em Espanha eleições democráticas.
Já imaginaram?
Já imaginaram o que a esquerda ... a esquerda democrática, a esquerda antidemocrática e a esquerda complexada ... estariam hoje a dizer?
Que diferença entre ambos?
De um lado ... o golpista de um regime democrático Hugo Chávez, mais tarde democraticamente eleito e, amigo de Fidel que de democraticamente NADA tem mas também NADA dizem contra ele ... elevado à enésima potência da heroicidade
Do outro lado, ... o golpista de um regime democrático Tejero Molina, que mesmo que mais tarde tivesse sido eleito democraticamente, continuaria fascista.

PORTUGAL NO EUROPEU

4ª feira, Portugal joga o seu último e decisivo jogo de qualificação para o Europeu.
Quis o destino que esse jogo seja no Estádio das Antas, no Porto, entre um conjunto de adeptos que tudo fazem e fizeram (alguns, claro, mas muitos!) para que Portugal fosse desqualificado do Europeu.
O Estádio de um clube onde, ao que agora se sabe, o seu presidente brindou com champanhe as derrotas do seu próprio país - PORTUGAL.
Não sei qual vai ser o comportamento desses ... portugueses, nem sei que ordens terão recebido do seu dono.Não sei se Portugal ganhará ou não. Nem sei se vai haver novo record pró Guiness do lançamento de aviõezinhos de papel por metro quadrado! Uma coisa sei.
Quem vai ganhar é o champanhe. E PORQUÊ o champanhe?Porque se Portugal ganhar e ficar apurado, os PORTUGUESES vão brindar pela vitória, pelo êxito e pela sorte no Campeonato.
Se Portugal perder, outros haverá que vão brindar com o champanhe que têm guardado há anos, quase que a "fermentar", desde o dia em que Scolari se tornou seleccionador nacional e teve a coragem de colocar no seu devido lugar - o banco ... de sua casa - aquele que é considerado pela imprensa avençada, liderada pelo "O Jogo" e o Sapo do Tavares Teles, o jogador com mais títulos coleccionados em campo, no banco, como jogador, como suplente, ... não interessa de que jeito, interessa é somar.Portanto, quem ganhará será SEMPRE o champanhe. E a prova está à vista. Poucos aqui vêm brindar por Portugal como trocam de galhardetes entre clubes, felicitar os portugueses em geral, saudar as vitórias conseguidas, alimentar e massajar o EGO de todos e de cada um em particular, como o fazem nos fios dos clubes da cada vez que os adversários vão fazer jogos internacionais. "Nessa altura somos todos portugueses" - é o que dizem.
E agora somos O QUÊ? Como eu sou dos que não necessitam, para conseguir respirar, de ter de desejar boa sorte aos adversários por tudo e por nada, também não me sinto na necessidade de aqui vir DESPEJAR essa mesma boa sorte. Mas vou estando atento ... toda a gente sabe como penso. E quem não sabe, ... soubesse, já teve tempo para isso. Os abutres começam a ensaiar o voo rasante sobre a esquife de Scolari. Veremos então se aterram ou se migram, emigram ou imigram por mais 2 anos pelo menos.Viva o champanhe! .... VIVA!!!

domingo, 18 de novembro de 2007

ESTA É A MINISTRA DA EDUCAÇÃO QUE TEMOS!!!!


A sora ministra era professora primária e não queria que se soubesse!!!
Mas ela é cá duma koltura!!!

Dizer mal da koltura da sora ministra? Nunca!!! A ministra abzentista , afinal … é professora primária e não só nunca o disse como também o omitiu do curriculum oficial…
Então, a Prof. Doutora Maria de Lurdes Rodrigues, ministra da Educação do governo socialista , toda cheia de eduquês-sociológico cerrado para tentar demonstrar erudição, não sabe gramática básica?!... A ministra da Educação, que ocupa temporariamente, como todos, por mais que o esqueçam, um cargo de grande responsabilidade, já exercido por notáveis cultores da língua, passou a "Grande Entrevista" da RTP, a Judite de Sousa, a falar de "comportamento... ab zentista" - com o som [z] .
A ministra da Educação não sabe que no português de todos os sotaques nacionais, da Fajã Grande da ilha das Flores a Paradela de Miranda do Douro, ou internacionais, de Mâncio Lima no Acre brasileiro a Tutuala em Timor, a palavra "absentista" se pronuncia "absentista" (com "s", conforme se lêem os "s" entre duas consoantes) e não abzentista (com "z"), como disse várias vezes (tantas quantas pronunciou a palavra) para ilustração dos pais e alunos portugueses?!...
Para lá da responsabilidade do cargo, acresce outra circunstância ainda mais embaraçante para a ministra imortalizada pelo Antero do Anterozóide : a ministra, nascida em 1956, é alegadamente ex-professora do ensino primário, um facto que é omitido do seu curriculum oficial, onde não se regista a sua ocupação até 1986, antes de se tornar aos 30 anos docente do ISCTE - instituto que frequentou com muito bom aproveitamento o "Curso de Pós-Graduação em Gestão de Empresas, com a designação de MBA" o aluno José Sócrates.
O alegado facto é omitido do curriculum oficial certamente por modéstia, pois não pode ser motivo de vergonha, mas de orgulho, ter sido professora do ensino primário, ainda para mais a formação e profissão de grande parte dos funcionários que tutela?!... Só se - e nesse caso já se compreenderia a omissão! -, apesar dessa eventual formação inicial e experiência no magistério primário for "abzentista" no respeito da língua...Lapso qualquer um tem, e não deve ser notado, mas quando é sistemático e ostensivo, já não decorre de distracção, mas de ignorância refinada. Está vingado o ex-secretário de Estado, agora deputado, Diogo Feyo .
Já não bastava à ministra a notoriedade do YouTube com o episódio inesquecível do despautério dos gritos de "buuuuuuuuuu!" com que (des)educou as crianças em Santa Maria da Feira no dia 10 de Março de 2007 ... (Vejam este link que vale a pena para se perceber quem de facto ela é. .. ahahahahaha... que nível !!!) ....
Artigo do Professor António Balbino Caldeira, autor do blog: http://doportugalprofundo.blogspot.com/

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

A CULPA É DOS PROFESSORES, PONTO FINAL.

O PROFESSOR ESTÁ SEMPRE ERRADO!
...se é jovem, não tem experiência
... se é velho, está superado
... se não tem carro, é um coitado
... se tem carro, chora de "barriga cheia"
... se fala em voz alta, grita
... se fala em tom normal, ninguém o ouve...
... se não falta às aulas, é um tontinho
... se falta, é um "turista"
... se conversa com outros professores, está a falar mal dos alunos
... se não conversa, é um desligado
... se dá a matéria toda, não tem dó dos alunos
... se não dá a matéria, não prepara os alunos
... se brinca com a turma, arma-se em engraçado
... se não brinca, é um chato
... se chama a atenção, é um autoritário
... se não chama, não se sabe impor
... se o teste de avaliação é longo, não dá tempo
... se o teste de avaliação é curto, tira as chances dos alunos
... se escreve muito, não explica
... se explica muito, o caderno não tem nada
... se fala correctamente, ninguém entende
... se fala a "língua" do aluno, não tem vocabulário
... se o aluno é reprovado, foi perseguição
... se o aluno é aprovado, o professor facilitou.
É verdade, o professor está sempre errado!


Alguém tem alguma dúvida?

De facto, o professor está sempre errado!
Mas se você conseguiu ler até aqui,

agradeça-lhe a ele.

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

TROCO TODOS OS BENEFÍCIOS FISCAIS POR UM ÚNICO CANCRO DA MAMA. O Sr. MINISTRO ACEITA?

Tive acesso a esta carta escrita por um cidadão ao nosso Ministro das Finanças; é veridica.
Se todos tivéssemos a atitude deste homem, que não conheço, quem sabe se o nosso Portugal não melhorava, e os nossos governantes pensassem mais no povo que governam e que os elegeram.

Ex.mo Senhor Ministro das Finanças

Victor Lopes da Gama Cerqueira, cidadão eleitor e contribuinte deste País, com o número de B.I. 8388517, do Arquivo de identificação de Lisboa, contribuinte n.º152115870 vem por este meio junto de V.Ex.a para lhe fazer uma proposta:
A minha Esposa, Maria Amélia Pereira Gonçalves Sampaio Cerqueira, foi vítima de CANCRO DE MAMA em 2004 e foi operada em 6 Janeiro com a extracção radical da mesma.Por esta "coisinha" sem qualquer importância foi-lhe atribuída uma incapacidade de 80%, imagine, que deu origem a que minha esposa tenha usufruido de alguns benefícios fiscais.
Assim, e tendo em conta as suas orientações, nomeadamente para a CGA, que confirmam que para si o CANCRO é uma questão de somenos importância.
Considerando ainda, o facto de V. Ex.ª, coerentemente, querer que para o ano sejam retirados os benefícios fiscais, a qualquer um que ganhe um pouco mais do que o salário mínimo, venho propor a V. Ex.ª o seguinte:
a) A entrega do CANCRO da MAMA da minha Mulher a V. Ex.ª que, com os meus cumprimentos, o dará à sua Esposa ou Filha.
b) Concomitantemente com esta oferta gostaria que aceitasse para a sua ou Filha ainda:
c) S eis (6) tratamentos de quimioterapia.
d) Vinte e oito (28) tratamentos de radioterapia.
e) A angustia e a ansiedade que nós sofremos antes, durante e depois.
f) Os exames semestrais (que desperdício Senhor Ministro, terá que orientar o seu colega da saúde para acabar com este escândalo).
g) Ansiedade com que são acompanhados estes exames.
h) A angústia em que vivemos (?) permanentemente.
Em troca de V. Ex.ª ficar para si e para os seus com a doença da minha esposa e os nossos sofrimentos eu DEVOLVEREI todos os benefícios fiscais de que a minha esposa terá beneficiado, pedindo, se necessário for, um empréstimo bancário para o fazer.
Penso sinceramente que é uma proposta justa e com a qual, estou certo, a sua esposa ou filha também estarão de acordo.
Grato pela atenção que possa dar a esta proposta, informo V.Exª que darei conhecimento da mesma a Sua Ex.ª o Presidente da República, agradecendo fervorosamente o apoio que tem dispensado ao seu Governo e a medidas como esta e também o aumento de impostos aos reformados e outras...
Reservo-me ainda o direito (será que tenho direitos?) de divulgar esta carta como muito bem entender.
Como V. Ex.ª não acreditará em Deus (por se considerar como tal...) e por isso dorme em paz, abraçando e beijando os seus, só lhe posso desejar que Deus lhe perdoe, porque eu não posso (jamais) perdoar-lhe.
19 de Outubro de 2007

O HORÁRIO DE TRABALHO DE UM PROFESSOR

PARA TODOS OS PROFESSORES ...
POR UM ENGENHEIRO QUE É MARIDO DE UMA PROFESSORA
“A propósito das avaliações e do processo continuado de desacreditação dos Professores que a Ministra quer impor à opinião, gostaria que os pensassem no seguinte:
em vez de fazerem greves inócuas, que ainda por cima cheiram a férias desapropriadas entre feriados, os professores deviam pensar seriamente em cumprir integralmente nas suas escolas o seu horário de trabalho.
Passo a explicar:
- pela manhã, TODOS os professores se apresentavam nas suas escolas para iniciarem o seu dia de trabalho.
- Agora vai ser necessário um pouco de aritmética, mas da mais básica. Se um professor tem 3 horas de aulas num, cumpre mais quatro horas de permanência na escola.
- Nessas quatro horas é suposto corrigir testes, preparar aulas, elaborar enunciados das provas, etc., etc. ... tudo o que se relacione com a sua profissão e que normalmente está habituado (mal) a fazer em casa.
- É também suposto utilizar as secretárias, as cadeiras, os computadores e as impressoras da escola para o seu trabalho. É que também é suposto que, antes de exigir resultados, a escola lhe forneça condições de trabalho.
- No final das sete horas de trabalho diário (7 x 5 = 35) saíam da escola para casa, deixando na escola o trabalho que ficou por fazer *.
Facilmente os Conselhos Executivos chegarão à conclusão que a escola não oferece condições aos professores para que estes trabalhem, e terão que o comunicar ao Ministério, ou não há seriedade. Ou tentarão os Conselhos Executivos agir de forma a convencerem os professores de que como estes se acotovelam na escola o melhor será irem para casa? Mas poderão os professores ser penalizados por quererem exercer o seu trabalho no local de trabalho que lhes está por natureza determinado?

Deixem de ser um bando e passem a actuar como um grupo.
TODOS para as escolas desde manhã a cumprirem o horário de trabalho na escola, o local de trabalho natural. Atasquem completamente as escolas com a vossa presença e deixem que a ausência de condições de trabalho faça o resto.

Deixem-se de greves inócuas e atrapalhem verdadeiramente o sistema de forma legal. Provem de uma vez por todas que querem trabalhar e que este patrão não vos dá condições de trabalho apesar de vos exigir resultados, e ainda por cima enxovalhando-vos continuamente.

Substituam os sindicalistas que vos representam tão mal e que já não sabem o que é dar uma aula há mais de 20 anos por Professores que saibam discutir os assuntos de forma séria.

Sejam de uma vez por todos PROFESSORES UNIDOS.

Se assim não for, rendam-se às evidências e façam o trabalho dos auxiliares educativos, que ajudam o ministério a poupar uns cobres.
E NÃO SE QUEIXEM.
Para quem não sabe, não sou professor. Sou um reles engenheiro que às vezes pensa nestas coisas, muitas delas quando às quatro ou cinco da manhã grito para a minha mulher que está no escritório a corrigir testes e pergunto se não se vem deitar.

AYRTON SENNA - O MELHOR PILOTO DE F1 DE TODOS OS TEMPOS

A minha mais do que justa Homenagem àquele que considero ter sido o melhor piloto de fórmula 1 de todos os tempos. Com a sua morte prematura, a fórmula 1 perdeu todo o seu encanto.





SUCESSO ESCOLAR? . . . FACÍLIMO!

Qualquer semelhança com a realidade não passa de pura coincidência.
E se a gorda e sinistra ministra não sabe como resolver o problema do sucesso escolar em Portugal, do abandono escolar e da falta de motivação dos professores, pais e alunos ... é fácil.
Dê uma vista de olhos a esta banda desenhada de ficção da parvalhónia para ver como é que na Parvalândia se faz.
É que se eles conseguem bons resultados porque não nós em Portugal? Nada mais fácil para sair da cauda da Europa.

















POESIA PARA QUEM VIVE DISTRAÍDOS NO DESGOVERNO DE SÓCRATES

No primeiro diploma,
Congelam as progressões,
Acabam os escalões,
E não dizemos nada.
No segundo diploma,
Aumentam o tempo das reformas,
Mexem com todas as normas,
E não dizemos nada.
No terceiro diploma,
Alteram o sistema de saúde,
Há um controlo amiúde,
E não dizemos nada.
No quarto diploma,
Criam-se informações,
Geram-se várias divisões,
E não dizemos nada.
No quinto diploma,
Passa a haver segredo,
As pessoas vivem com medo,
E não dizemos nada.
Até que um dia,
O emprego já não é nosso,
Tiram-nos a carne fica o osso,
E já não podemos dizer nada.
Porque a luta não foi travada,
A revolta foi dominada,
E a garganta está amordaçada.
Cláusula de salvaguarda
Face ao perigo dos Bufos súcia-listas, comunico que:
- este e-mail não está a ser enviado por nenhum funcionário público durante o horário de trabalho;
- não está a ser enviado de um computador de um organismo público;
- não está a ser enviado de nenhum gabinete, nem mesmo do interior de uma instituição da administração pública;
- não existe nenhum bufo por perto;
- não é um comentário jocoso;
- não é um insulto;
- não trata o Exmo e Ilustre Sr. ex-Eng. Primeiro-Ministro com sentido depreciativo e injurioso;
- garante a observação das orientações superiormente fixadas para a prossecução e implementação das políticas desenvolvidas pelo "QUERIDO LÍDER ";
- não demonstra grave desinteresse pelo cumprimento dos deveres gerais de lealdade e correcção;
- não viola o dever de lealdade;
- não procura atingir o Sr. ex-Eng. primeiro-ministro;
Aliás , eu gramo o Sr. Eng. Primeiro-Ministro aos molhinhos;
e Viva o GRANDE LÍDER DO POVO, O SR. ENG. Primeiro-Ministro!!!
Mais: se alguém bufar que fui eu a enviar este e-mail, eu nego N-E-G-O."
FIM

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

A EDUCAÇÃO PODE SER AINDA MUITO MELHOR

St. Tropez, 30 de Outubro de 2007
Minha cara Maria de Lurdes
Mesmo a este recanto turístico francês chegou o sucesso da Educação: diminuição em 22 por cento do insucesso escolar!
Estava eu, repimpado com vista para o mar, a celebrar com um Don Pérignon Vintage 1998 mais este sucesso da nossa Educação quando, para minha desgraça, o meu velho amigo Prof. Jean Desgrandes Baldàs me desencantou:
- Mais non, mon cher, não é um grand sucesso. É apenas um petit passo (o resto do diálogo vai em português, senão isto parece uma entrevista com o Comendador Berardo, caso ele tivesse sido educado no Québec).
Contrapus que eram 22 por cento! Mas ele insistiu.
- Podiam ser mais. Eu tenho um método quase perfeito para melhorar esses números.
- Qual? - perguntei, ávido.
- Não só acabar com a retenção ou chumbo por faltas, como também por notas ou por qualquer outro caso.
Perguntei ao Prof. Jean Desgrandes Baldàs em que circunstâncias poderia, então, um aluno chumbar.
- Nunca! Jamais! A menos claro, em casos muito graves, se matar um professor ou fumar no recreio ou assim... De resto, o aluno não é retido. E poderia mesmo ser - e este é o grande segredo do meu método acelerado!
- Acelerado? Que quer o Prof. Baldàs dizer com isso?
- Acelerado! Por exemplo, um aluno que está no 6.º Ano de escolaridade, se for a mais do que 20 aulas pode passar logo para o 8.º ou o 9.º Ano, por exemplo.
- Porquê?
- Porque sabe tanto como um que lá chega sem pôr os pés na aula, como é óbvio, evidente e absolutamente claro. Repare, se um aluno que nunca viu o quadro negro da sua turma, acaba por passar do 6.º para o 7.º, por que razão injusta o que se esforça e aparece, vá lá, mais de 10 vezes, não pode passar para o 8.º ou 9.º.
Concordei com o meu amigo. Mas como gosto de discutir, ainda tinha uma objecção.
- E se um aluno do 1.º Ano for todos os dias à escola? O que lhe dá? O diploma do 9.º Ano?
- Por que não? Que lhe falta a ele saber para a vida? Não vê o concurso "Sabe mais do que um miúdo de 10 anos?"
- E se ele continuar sem faltar - objectei - pode dar-lhe a Carta de Condução? - interroguei, em tom de brincadeira.
- Claro que sim. Desde que ele não conduza. No fundo, não é diferente de dar o 9.º Ano a quem não sabe quantos são 7x8, ou a raiz quadrada de 9. Porque, repare - e este era o grande argumento do Prof. Desgrandes Baldàs -, o que interessa não é o conhecimento, mas sim a aprendizagem. Ora, quem está num programa de aprendizagem (ou seja, uma aula) ganha créditos e direitos, não lhe parece?
-Mas mesmo sem saber nada de útil? - ainda contrapus. E ele respondeu, calmo:
- Se não tivermos de provar os conhecimentos, todos nós somos especialistas em Física Quântica. Este é o meu postulado. Confesso, minha cara Ministra, que fiquei a pensar nisto. Como método de pedagógico é só mais um pequeno passo dos muitos que em Portugal temos dados. Pense também, e aceite os meus cumprimentos
Comendador Marques de Correia

sábado, 10 de novembro de 2007

O ESTADO EM QUE SE ENCONTRA A ESCOLA E O ENSINO EM PORTUGAL

Carta aberta ao Senhor Presidente da República Portuguesa

Ílhavo, 22 de Outubro de 2007

Senhor Presidente da República Portuguesa

Excelência:

Disse V. Excia, no discurso do passado dia 5 de Outubro, que os professores precisavam de ser dignificados e eu ouso acrescentar: “Talvez V. Excia não saiba bem quanto!”

1. Sou professor há mais de trinta e seis anos e no ano passado tive o primeiro contacto com a maior mentira e o maior engano (não lhe chamo fraude porque talvez lhe falte a “má-fé”) do ensino em Portugal que dá pelo nome de Cursos de Educação e Formação (CEF).
A mentira começa logo no facto de dois anos nestes cursos darem equivalência ao 9º ano, isto é, aldrabando a Matemática, dois é igual a três!
Um aluno pode faltar dez, vinte, trinta vezes a uma ou a várias disciplinas (mesmo estando na escola) mas, com aulas de remediação, de recuperação ou de compensação (chamem-lhe o que quiserem mas serão sempre sucedâneos de aulas e nunca aulas verdadeiras como as outras) fica sem faltas. Pode ter cinco, dez ou quinze faltas disciplinares, pode inclusive ter sido suspenso que no fim do ano fica sem faltas, fica puro e imaculado como se nascesse nesse momento.
Qual é a mensagem que o aluno retira deste procedimento? Que pode fazer tudo o que lhe apetecer que no final da ano desce sobre ele uma luz divina que o purifica ao contrário do que na vida acontece. Como se vê claramente não pode haver melhor incentivo à irresponsabilidade do que este.

2. Actualmente sinto vergonha de ser professor porque muitos alunos podem este ano encontrar-me na rua e dizerem: ”Lá vai o palerma que se fartou de me dizer para me portar bem, que me dizia que podia reprovar por faltas e, afinal, não me aconteceu nada disso. Grande estúpido!”

3. É muito fácil falar de alunos problemáticos a partir dos gabinetes mas a distância que vai deles até às salas de aula é abissal. E é-o porque quando os responsáveis aparecem numa escola levam atrás de si (ou à sua frente, tanto faz) um magote de televisões e de jornais que se atropelam uns aos outros. Deviam era aparecer nas escolas sem avisar, sem jornalistas, trazer o seu carro particular e não terem lugar para estacionar como acontece na minha escola.
Quando aparecem fazem-no com crianças escolhidas e pagas por uma empresa de casting para ficarem bonitos (as crianças e os governantes) na televisão.
Os nossos alunos não são recrutados dessa maneira, não são louros, não têm caracóis no cabelo nem vestem roupa de marca.
Os nossos alunos entram na sala de aula aos berros e aos encontrões, trazem vestidas camisolas interiores cavadas, cheiram a suor e a outras coisas e têm os dentes em mísero estado.
Os nossos alunos estão em estado bruto, estão tal e qual a Natureza os fez, cresceram como silvas que nunca viram uma tesoura de poda. Apesar de terem 15/16 anos parece que nunca conviveram com gente civilizada.
Não fazem distinção entre o recreio e o interior da sala de aula onde entram de boné na cabeça, headphones nos ouvidos continuando as conversas que traziam do recreio.
Os nossos alunos entram na sala, sentam-se na cadeira, abrem as pernas, deixam-se escorregar pela cadeira abaixo e não trazem nem esferográfica nem uma folha de papel onde possam escrever seja o que for.
Quando lhes digo para se sentarem direitos, para se desencostarem da parede, para não se virarem para trás olham-me de soslaio como que a dizer “Olha-me este!” e passados alguns segundos estão com as mesmas atitudes.

4. Eu não quero alunos perfeitos. Eu quero apenas alunos normais!!!
Alunos que ao serem repreendidos não contradigam o que eu disse e que ao serem novamente chamados à razão não voltem a responder querendo ter a última palavra desafiando a minha autoridade, não me respeitando nem como pessoa mais velha nem como professor. Se nunca tive de aturar faltas de educação aos meus filhos por que é que hei-de aturar faltas de educação aos filhos dos outros? O Estado paga-me para ensinar os alunos, para os educar e ajudar a crescer; não me paga para os aturar! Quem vai conseguir dar aulas a alunos destes até aos 65 anos de idade?
Actualmente só vai para professor quem não está no seu juízo perfeito mas se o estiver, em cinco anos (ou cinco meses bastarão?...) os alunos se encarregarão de lhe arruinar completamente a sanidade mental.
Eu quero alunos que não falem todos ao mesmo tempo sobre coisas que não têm nada a ver com as aulas e quando peço a um que se cale ele não me responda: “Por que é que me mandou calar a mim? Não vê os outros também a falar?”
Eu quero alunos que não façam comentários despropositados de modo a que os outros se riam e respondam ao que eles disseram ateando o rastilho da balbúrdia em que ninguém se entende.
Eu quero alunos que não me obriguem a repetir em todas as aulas “Entram, sentam-se e calam-se!”
Eu quero alunos que não usem artes de ventríloquo para assobiar, cantar, grunhir, mugir, roncar e emitir outros sons. É claro que se eu não quisesse dar mais aula bastaria perguntar quem tinha sido e não sairia mais dali pois ninguém assumiria a responsabilidade.
Eu quero alunos que não desconheçam a existência de expressões como “obrigado”, “por favor” e “desculpe” e que as usem sempre que o seu emprego se justifique.
Eu quero alunos que ao serem chamados a participar na aula não me olhem com enfado dizendo interiormente “Mas o que é que este quer agora?” e demorem uma eternidade a disponibilizar-se para a tarefa como se me estivessem a fazer um grande favor. Que fique bem claro que os alunos não me fazem favor nenhum em estarem na aula e a portarem-se bem.
Eu quero alunos que não estejam constantemente a receber e a enviar mensagens por telemóvel e a recusarem-se a entregar-mo quando lho peço para terminar esse contacto com o exterior pois esse aluno “não está na sala”, está com a cabeça em outros mundos.
Eu sou um trabalhador como outro qualquer e como tal exijo condições de trabalho! Ora, como é que eu posso construir uma frase coerente, como é que eu posso escolher as palavras certas para ser claro e convincente se vejo um aluno a balouçar-se na cadeira, outro virado para trás a rir-se, outro a mexer no telemóvel e outro com a cabeça pousada na mesa a querer dormir?
Quando as aulas são apoiadas por fichas de trabalho gostaria que os alunos, ao sair da sala, não as amarrotassem e deitassem no cesto do lixo mesmo à minha frente ou não as deixassem “esquecidas” em cima da mesa.
Nos últimos cinco minutos de uma aula disse aos alunos que se aproximassem da secretária pois iria fazer uma experiência ilustrando o que tinha sido explicado e eles puseram os bonés na cabeça, as mochilas às costas e encaminharam-se todos em grande conversa para a porta da sala à espera que tocasse. Disse-lhes: “Meus meninos, a aula ainda não acabou! Cheguem-se aqui para verem a experiência!” mas nenhum deles se moveu um milímetro!!!
Como é possível, com alunos destes, criar a empatia necessária para uma aula bem sucedida?
É por estas e por outras que eu NÃO ADMITO A NINGUÉM, RIGOROSAMENTE A NINGUÉM, que ouse pensar, insinuar ou dizer que se os meus alunos não aprendem a culpa é minha!!!

5. No ano passado tive uma turma do 10º ano dum curso profissional em que um aluno, para resolver um problema no quadro, tinha de multiplicar 0,5 por 2 e este virou-se para os colegas a perguntar quem tinha uma máquina de calcular!!! No mesmo dia e na mesma turma outro aluno também pediu uma máquina de calcular para dividir 25,6 por 1.
Estes alunos podem não saber efectuar estas operações sem máquina e talvez tenham esse direito. O que não se pode é dizer que são alunos de uma turma do 10º ano!!!
Com este tipo de qualificação dada aos alunos não me admira que, daqui a dois ou três anos, estejamos à frente de todos os países europeus e do resto do mundo. Talvez estejamos só que os alunos continuarão a ser brutos, burros, ignorantes e desqualificados mas com um diploma!!!

6. São estes os alunos que, ao regressarem à escola, tanto orgulho dão ao Governo. Só que ninguém diz que os Cursos de Educação e Formação são enormes ecopontos (não sejamos hipócritas nem tenhamos medo das palavras) onde desaguam os alunos das mais diversas proveniências e com histórias de vida escolar e familiar de arrepiar desde várias repetências e inúmeras faltas disciplinares até famílias irresponsáveis.
Para os que têm traumas, doenças, carências, limitações e dificuldades várias há médicos, psicólogos, assistentes sociais e outros técnicos, em quantidade suficiente, para os ajudar e complementar o trabalho dos professores?
Há alunos que têm o sublime descaramento de dizer que não andam na escola para estudar mas para “tirar o 9º ano”.
Outros há que, simplesmente, não sabem o que andam a fazer na escola…
E, por último, existem os que se passeiam na escola só para boicotar as aulas e para infernizar a vida aos professores. Quem é que consegue ensinar seja o que for a alunos destes? E por que é que eu tenho de os aturar numa sala de aula durante períodos de noventa e de quarenta e cinco minutos por semana durante um ano lectivo? A troco de quê? Da gratidão da sociedade e do reconhecimento e do apreço do Ministério não é, de certeza absoluta!

7. Eu desafio seja quem for do Ministério da Educação (ou de outra área da sociedade) a enfrentar ( o verbo é mesmo esse, “enfrentar”, já que de uma luta se trata…), durante uma semana apenas, uma turma destas sozinho, sem jornalistas nem guarda-costas, e cumprir um horário de professor tentando ensinar um assunto qualquer de uma unidade didáctica do programa escolar.
Eu quero saber se ao fim dessa semana esse ilustre voluntário ainda estará com vontade de continuar. E não me digam que isto é demagogia porque demagogia é falar das coisas sem as conhecer e a realidade escolar está numa sala de aula com alunos de carne, osso e odores e não num gabinete onde esses alunos são números num mapa de estatística e eu sei perfeitamente que o que o Governo quer são números para esse mapa, quer os alunos saibam estar sentados numa cadeira ou não (saber ler e explicar o que leram seria pedir demasiado pois esse conhecimento justificaria equivalência, não ao 9º ano, mas a um bacharelato…).
É preciso que o Ministério diga aos alunos que a aprendizagem exige esforço, que aprender custa, que aprender “dói”! É preciso dizer aos alunos que não basta andar na escola de telemóvel na mão para memorizar conhecimentos, aprender técnicas e adoptar posturas e comportamentos socialmente correctos.

Se V.Excia achar que eu sou pessimista e que estou a perder a sensibilidade por estar em contacto diário com este tipo de jovens pergunte a opinião de outros professores, indague junto das escolas, mande alguém saber. Mas tenha cuidado porque estes cursos são uma mentira…

Permita-me discordar de V. Excia mas dizer que os professores têm de ser dignificados é pouco, muito pouco mesmo…

Atenciosamente
Domingos Freire Cardoso
Professor de Ciências Físico-Químicas
3830 - 203 ÍLHAVO

... APENAS AO ALCANCE DOS CORRUPTOS E DITADORES FACÍNORAS

Quem havia de dizer ... aliás, é comum a todos os ditadores facínoras, a opulência.

Pois é ... enquanto o povo passa fome ...


A quem pertence esta opulenta mansão?.....
Finalmente alguém obteve estas fotos.
Imaginem quem tem este gosto e vive nesta opulência?
Um Bilionário Americano?
Um Principie Saudita?
Louis XIV de França?



This manison belongs to::

President of Zimbabwe

Robert Mugabe

one maniac, that has his people starving, while he fills his pockets with millions and the world looks on without doing anything and the African nations are very proud of him for standing up to the white farmers that fed the nation.

Most Africans outside Zimbabwe thinks of him as a hero!.

Damn...surely we will have to organize, again, one solidarity campaign with the people of Zimbabwe .

So much hipocrisy.

O ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E OS GENERAIS DE CARREIRA

UMA EXCELENTE FORMA PARA LUTAR CONTRA O ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE!


A plataforma negocial de 14 sindicatos não chegou a acordo com a ministra sobre o novo Estatuto da Carreira Docente.
E muito bem.
O que se pretende é aniquilar completamente o que resta da dignidade de ensinar.Já nem falo do dinheiro que se perde.
A dignidade de 400 mil professores é que não se admite que uma qualquer ministra, que não o será mais do que 4 anos, destrua.
Agora: há variadíssimas formas de luta. Desde já proponho uma monumental greve de "zelo", cumprindo apenas os serviços mínimos na sala de aula. Se os pais não se importam com a vida escolar dos seus alunos talvez seja a única forma de o começarem a fazer.
Dá-se a matéria mínima, ao ritmo mínimo, tiram-se as dúvidas a quem estudou, não se repetem exposições. Ou seja: temos que fazer com os alunos aquilo que a ministra quer fazer connosco, a ver se os pais entendem a nossa luta e se gostam que o mesmo aconteça aos seus filhos. Estabeleceremos cotas em cada turma:Em 20 alunos, só daremos 10% de nota máxima, tal como a ministra faz connosco.
Portanto, se houver mais do que 2 alunos que mereçam 5, paciência!
Ficam com 5 os dois melhores.
Mas se um deles faltou mais de 3 dias por doença, terá que ter paciência.
Fica com 4 e sobe o seguinte a aluno-titular.
Os outros cotam-se, proporcionalmente, por aí abaixo.10% de nível 5 e 20% de nível 4.
O resto vai corrido a 3.
Se uma turma for muito boa e tiver 10 alunos que merecessem 4 e 5, outra vez paciência.
«Nem todos podem chegar a generais», não é?
Dois ficam com 5, quatro com 4 e os restantes terão 3.
Mesmo que, também esses merecessem 5. Faltaram?Quem os mandou adoecer a eles ou aos pais? Quem mandou o carro avariar e chegar tarde uma vez? Quem mandou o irmão mais novo apanhar sarampo?
É cotas, é cotas!
Não são os Pais que aprenderam com a ministra que «nem todos podem chegar a general»?
Pois então? Os seus filhos também não!

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

ANGOLA - DO NOVO RIQUISMO ÀS DESIGUALDADES SOCIAIS AGRAVADAS


Novos empreendimentos erguem-se em meio a cenário de desigualdade social

O superaquecimento da economia vem dando origem a uma nova geração de empreendedores, mas preserva e pode até estar agravando a diferença entre ricos e pobres.
Novos capitalistas proliferam. Um caso típico é o de Daniel Nunes, 31. Dez anos atrás ele combatia ao lado de tropas marxistas na selva.
Hoje, de óculos escuros e relógio vistoso, viaja três vezes por ano para Dubai a fim de comprar carros de luxo e revendê-los em Angola, lucrando até o equivalente a R$ 15 mil por unidade.
No centro de Luanda, a capital, as contradições são visíveis. Erguendo arranha-céus para o governo ou petroleiras, guindastes disputam espaço com prédios delapidados. A moderníssima sede da estatal do petróleo Sonangol, 19 andares em vidro fumados, é vizinha de cortiços com fachadas tomadas por roupas em varais. Concessionárias despejam carros 4X4, preferência nacional, nas ruas esburacadas. Os engarrafamentos são intermináveis.
Em Angola, nada é mais comum do que deixar o ar-condicionado de um vistoso edifício e pular uma poça de água esverdeada e malcheirosa na calçada. Ao lado, provavelmente haverá uma pilha de lixo. Blecautes são uma certeza quotidiana num país que extrai 2 milhões de barris diários de petróleo, a segunda maior produção africana.
O fluxo de petróleo deve cair a partir de 2012, o que já preocupa o governo. "Estamos trabalhando para desenvolver outros sectores e deixar de ter a economia vinculada ao petróleo", disse a ministra do Planeamento, Ana Dias.
O fluxo repentino de recursos tornou a corrupção endémica. A cultura de pagar "gasosa" (literalmente, refrigerante) para polícias e funcionários públicos está enraizada. Angola, no ano passado, foi considerada pela ONG Transparência Internacional o 34º país mais corrupto do mundo, entre 180.
Há ainda sinais de que o petróleo pode estar contribuindo para empurrar uma parcela da população para um estado mais agudo de pobreza. A explosão da demanda gerada por petrodólares não foi acompanhada por similar aumento de oferta. O custo de vida disparou, e hoje Luanda é uma das cidades mais caras do mundo.
Os ricos e a classe média emergente refugiam-se em novos condomínios fechados e aproveitam o primeiro shopping e as primeiras salas cinemax do país. Na Ilha de Luanda, o bairro boémio, lotam restaurantes dispostos a pagar o equivalente a R$ 80 por uma lagosta ou R$ 55 por um prato (individual) de picanha com farofa.
Na periferia, onde o desemprego é de 60%, jovens recorrem a biscates ou à venda de badulaques em semáforos. Roubo de carros e assaltos tornaram-se problemas sérios.
"Crescimento não é necessariamente desenvolvimento.
O crescimento ainda não se reflecte na melhoria das condições de vida das pessoas", admite Custódio Armando, da Agência Nacional para o Investimento da Presidência.
Sintomaticamente, num país que sempre foi fanático pelo kuduro, o samba funk angolano, é o rap de protesto de artistas como MC Kappa, 25, que hoje mais cresce.
"Já estou no asfalto, os cidadãos reclamam, os preços estão mais altos. Lixo na rua é o semblante matinal, subida do combustível é a manchete do jornal", canta ele, no hit "Atrás do Prejuízo".

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

DIAMANTES ENRIQUECEM GENERAIS

Uma sociedade de generais angolanos encaixou perto de 120 milhões de dólares, nos últimos dez anos, com uma participação "silenciosa" no negócio dos diamantes.
Segundo revelou a organização não governamental Parceria África-Canadá(PAC), na Revista Anual da Indústria dos Diamantes 2007 dedicada a Angola, publicada ontem, abundam por todas as regiões mineiras angolanas casos como o da "Lumanhe Extracção Mineira, Importação e Exportação", em que empresas "aliadas do Governo" impõem a sua presença em projectos de exploração."
Na corrida para conseguir uma parte da indústria angolana de diamantes,a Lumanhe demonstrou ser extremamente afortunada, captando uma participação de 15 por cento nos projectos aluviais de Chitotolo e Cuango, e uma participação de percentagem semelhante no projecto de exploração em Calonda", afirma o relatório. A empresa tem como sócios *António Emílio Faceira* , Armando da Cruz Neto, *Luís Pereira Faceira *, Adriano Makevela McKenzie, João Baptista de Matos e Carlos Alberto Hendrick Vaal da Silva, cinco dos quais generais das Forças Armadas Angolanas.
De acordo com a PAC, o rendimento anual da "empresa dos generais" passou de cinco milhões de dólares em 1997 para 22 milhões de dólares em 2006.No total, o rendimento no período foi de 120 milhões de dólares, o equivalente a dois milhões de dólares por general, por ano."Os investidores estrangeiros que actuam em Angola parecem ter incluído essas transferências de dinheiro simplesmente como fazendo parte dos custos de negociação. Contudo, ao reivindicarem de cinco a 25 por cento de cada projecto, essas empresas aliadas do Governo não estão a tirar dinheiro ao Governo ou aos investidores. É o povo angolano que paga o preço", afirma."
A pergunta fundamental", diz a ONG, é "o que os angolanos poderiam ter feito com esse dinheiro", que equivale ao necessário para a construção de 100 hospitais provinciais como o recentemente inaugurado no Dondo, capital da Lunda Norte, no valor de 1,25 milhões de dólares."Os 120 milhões de dólares recebidos pelos generais dariam para construir 150 escolas e pagar a 800 professores um salário mais digno de300 dólares todos os meses durante 25 anos, sobrando ainda dinheiro para giz, papel e canetas", afirma a PAC. De acordo com a ONG, existem um pouco por todas as regiões produtoras de diamantes "projectos de mineração onde as empresas angolanas apoiantes do Governo retiram a sua parte". Entre estas estão a Hipergesta e a Angodiam (cada uma com participação de dois por cento no projecto Luô), Micol e Som Veterang (25 por cento no projecto Láurica). Toca Mai, Diagema, Afro Mineiras, Lumae, CDS e CMJS detêm 30 por cento no projecto da Fucauma, adianta a mesma fonte, sem especificar que interesses governamentais específicos estão por detrás das referidas sociedades."
Além desses, há dezenas de outros projectos em prospecção ou a entrarem produção. Nas próximas décadas, o custo dessas transferências ascenderá a um valor de vários milhares de milhões de dólares", afirma. Entre as recomendações da ONG ao Governo angolano está a realização de leilões ou licitações para atribuição das participações em sociedades mineiras, e que os ganhos destes sejam encaminhados para projectos sociais nas regiões diamantíferas. "O Governo angolano e a ENDIAMA devem deixar de oferecer grandes percentagens dos projectos de sociedade conjunta às empresas angolanasapoiantes do Governo. Todos os vínculos nominais que existem entre as áreas de concessão e as empresas angolanas deveriam ser cancelados",defende o relatório.
Além disso, adianta, o executivo e a ENDIAMA devem "trabalhar a questão da distribuição dos benefícios do sector diamantífero angolano", uma vez que os beneficiados actualmente resumem-se ao Governo, empresas e aos amigos do Governo, "e pouco é retribuído aos moradores das regiões que produzem diamantes". A PAC foi criada em 1986 com o apoio da Agência Internacional Canadiana de Desenvolvimento e de diversas organizações não-governamentais africanas, dedicando-se à promoção do desenvolvimento sustentável em África.
Fonte: Lusa